Notícias

Cuidando dos filhos de cristãos perseguidos

Cuidando dos filhos de cristãos perseguidos

Portas Abertas - 27/02/2018

"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

Em 2018, novas atividades serão desenvolvidas nos abrigos da Portas Abertas na Colômbia, projetados para cuidar dos filhos de cristãos perseguidos. Esses programas têm a função de disciplinar, educar e proteger as crianças que um dia serão líderes da Igreja Perseguida no país que ocupa a 49ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2018.

No leste da Colômbia fica um abrigo construído pela Portas Abertas, cujo programa já dura 18 anos. O abrigo é destinado a cuidar de crianças vítimas da perseguição religiosa e recrutamento forçado por facções criminosas.Essas crianças foram forçadas a deixar as famílias para proteger a integridade e a fé. “Nesse lugar nós fornecemos a elas uma casa segura, um lugar amigável onde elas possam desenvolver a fé, vocação e talentos”, compartilha o diretor do abrigo.

Um segundo abrigo da Portas Abertas foi aberto em janeiro de 2016. Começou com seis crianças cristãs indígenas que pertencem ao grupo étnico Arhuaco – povo registrado pela Portas Abertas como mais perseguido da Colômbia. Os cristãos desse grupo étnico são punidos e penalizados ao se converterem a Cristo. Antes de ser abrigadas por esse projeto, as crianças estavam sob a supervisão das autoridades tradicionais indígenas, que desejavam educá-las no animismo xamânico.

Há muitos desafios envolvidos na proteção dessas crianças vulneráveis, incluindo separação das famílias, novas dinâmicas de grupo e novas regras. Esses desafios afetam especialmente aqueles de origem indígena. A compreensão dos componentes culturais é essencial para estabelecer uma dinâmica comunitária saudável. Os pais também são impactados porque o envio de seus filhos para o abrigo significa uma diminuição da mão de obra na colheita de culturas. Isso é verdade para a família Samatinga*. Eles têm dois filhos vivendo no abrigo, o que afetou seu processo de plantio.

*Nome alterado por segurança.

< Outras Notícias